Alexandre de Sousa Carvalho


Nota biográfica

Alexandre de Sousa Carvalho é investigador associado do Centro de Estudos Sociais e do CEI-ISCTE-IUL. No âmbito do CES, integra a equipa do projeto Decode/M onde coordena a área temática sobre "Populismo e Masculinidades Extremas" e participa activamente no estudo core e nas áreas temáticas "MeToo"e "Paternidade, Papéis Domésticos e Cuidado". É desde Fevereiro de 2017 Professor Assistente Convidado em Relações Internacionais e Estudos da Paz, Desenvolvimento e Segurança na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, tendo também orientado e arguido dissertações de Mestrado nestas áreas científicas. É doutorando em Ciência Política no ISCTE-IUL, tem Mestrado em African Peace and Conflict Studies da Universidade de Bradford no Reino Unido e é licenciado em Relações Internacionais pela Universidade de Coimbra. Tem mais de 10 anos de experiência de investigação e consultoria em centros de investigação académicas, institutos de pesquisa, agências governamentais e organizações não-governamentais, e como consultor especialista em mais de 30 relatórios para agências internacionais de desenvolvimento e diretórios da Comissão Europeia. Os seus interesses de investigação incluem estudos da paz e da segurança; partilhas de poder; ciência política; populismo; masculinidades e igualdade de género; internet e política económica.


Últimas Publicações

Artigo em Revista Científica

Garraio, Júlia; Santos, Sofia José; Amaral, Inês; Carvalho, Alexandre de Sousa (2020), "The unimaginable rapist and the backlash against #MeToo in Portugal", Europe Now: A Journal of Research and Arts

Ler mais

Capítulo em Livro

Santos, Sofia José; De Sousa Carvalho, Alexandre (2020), Media e Masculinidades, in Rita Santos e Tiago Rolino (org.), Manual de Promoção de Igualdade de Género e de Masculinidades Não-Violentas EquiX. Coimbra: Centro de Estudos Sociais e Promundo-Portugal, 121-137

Ler mais

Artigo em Revista Científica

Santos, Sofia José; Carvalho, Alexandre de Sousa (2018), "Violência cultural, masculinidades e publicidade", Organicom, 15, 28, 206-222