Pandemia e Academia em casa - que efeitos no ensino, investigação e carreira? Estudo sobre as mudanças no sistema científico e de ensino superior.

Período
1 de agosto de 2020 a 31 de maio de 2021
Duração
10 meses
Resumo

Múltiplas desigualdades de género marcam a Academia. Especula-se sobre o seu agravamento em condições de pandemia, dadas as dificuldades das mulheres, em especial, de negociar um "quarto que seja seu". Com um inquérito procura-se perceber se, e como, docentes e investigadoras/es se adaptaram e que vantagens ou penalizações sentiram, numa perspetiva interseccional. Procura-se também auscultar, através de metodologias qualitativas, as perspetivas pós-COVID-19 no ensino e na investigação.

O objetivo do estudo é conhecer as estratégias de adaptação ao trabalho docente e de investigação sob a COVID-19 quanto a:

- medidas de contingência tomadas pelas instituições do sistema científico e do ensino superior
- métodos de trabalho de ensino e de avaliação à distância
- teletrabalho e conciliação trabalho/família
- restrições à execução dos planos de investigação
- impacto percebido na produtividade e nas oportunidades de carreira (em especial de pessoas com mais vulnerabilidade contratual, económica ou social)

Resultados

Este projeto procura enformar o debate junto de audiências difusas e estratégicas sobre o mainstreaming de género no Ensino Superior e Investigação:

• Submissão de artigo a revista internacional
• Apresentação em evento científico
• 4 science slams de cinco minutos
• Policy Brief - Recomendações de política pública, apresentadas e discutidas em reuniões com stakeholders institucionais e decisores políticos relevantes (governantes da área da Igualdade e da Ciência e Ensino Superior, sindicatos e outras plataformas de representação, como o CRUP, o CCISP e a ABIC.
• Relatório Final em formato E-BOOK
• Além de beneficiar dos recursos humanos e técnicos necessários à execução do plano de comunicação, o projeto tirará partido das ferramentas de comunicação do CES
• A articulação com o Projeto Europeu para o mainstreaming de género na academia e investigação (SUPERA), em que as investigadoras estão envolvidas, que permitirá ampliar o alcance dos seus resultados junto de públicos difusos e estratégicos ligados às políticas de Ensino Superior/Investigação (FCT, MCTES, SECI, CRUP, CCISP, FCT, SNESUP, FENPROF, ABIC), à Igualdade de Género (SECI, CIG) e associações científicas de mulheres (APEM e AMONET)

Palavras-Chave
género, COVID-19, academia, conciliação trabalho e família, digitalização do ensino
Financiamento
Fundação para a Ciência e Tecnologia