Tiago Pires Marques


Nota biográfica

Iniciou estudos de Direito em 1992, vindo a licenciar-se em História em 1998, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Começou a sua vida profissional no ensino politécnico, como assistente na Escola Superior de Gestão de Santarém, onde lecionou as disciplinas de História Económica e Social, História das Ideias Políticas e Histórica das Doutrinas Económicas. Iniciou as suas actividades de investigação no âmbito do Mestrado em Economia e Sociologia Históricas, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Entre 1998 e 2001, centrou-se na construção do Estado liberal e da I República em Portugal. Na sua tese de mestrado, estudou a formação do sistema penitenciário, questionando a possibilidade de aplicação do modelo disciplinar proposto por Michel Foucault ao caso português e chamando a atenção para a acção estruturante de outras lógicas político-económicas e de categorias culturais específicas (v. 'Crime e castigo no Liberalismo em Portugal', Livros Horizonte, 2005). No doutoramento, realizado no Instituto Universitário Europeu de Florença, aprofundou esta linha de investigação, estendendo-a à reforma dos sistemas jurídico-penais no período de entre as duas guerras mundiais na sua relação com a construção de regimes fascistas (v. 'Crime and the Fascist State', Pickering & Chatto, 2013). Na perspectiva de uma sociologia histórica das normas, interessou-se desde cedo pelas dinâmicas de secularização em contextos católicos. Publicou vários estudos nesta área, procurando sempre compreender as consequências normativas, epistemológicas e institucionais de identidades religiosas e laicas. Entre 2008 e 2013, o seu projecto de pós-doutoramento, financiado pela FCT, permitiu-lhe cruzar estas questões, tomando agora como objecto a construção de saberes psiquiátricos e universos psicoterapêuticos em contextos de laicidade (caso francês e I República portuguesa) e de referência confessional (Estado Novo português). Deste projecto, desenvolvido no Centro de Estudos de História Religiosa (Universidade Católica Portuguesa), Institut d'Histoire des Sciences et des Techniques (Universidade Paris 1) e no Cermes3 (unidade do CNRS - Universidade Paris Descartes), resultaram várias publicações, das quais se destacam o volume 'Michel de Certeau et l'anthropologie historique de la modernité' (Revue d'histoire des sciences humaines, 23, 2010) e o livro, como coordenador, 'Experiências à deriva. Paixões religiosas e psiquiatria na Europa. Séc. XV-XXI' (Cavalo de Ferro, 2013). Investigador no CES desde 2014, prossegue actualmente a sua investigação sócio-histórica sobre a saúde mental, estendendo o campo de observação à actualidade e combinando metodologias historiográficas e etnográficas. Os seus estudos em curso incidem prioritariamente nas formas científicas e leigas de objectivação e comunicação do sofrimento moral (epidemiologia e culturas psicoterapêuticas), e na construção de sistemas éticos e políticas sociais (in)capazes de lhe dar resposta. No CES, integra o Núcleo de Estudos sobre Políticas Sociais, Trabalho e Desigualdades (POSTRADE).


Últimas Publicações

Artigo em Revista Científica

Marques, Tiago Pires (2018), "Illness and the Politics of Social Suffering: Towards a Critical Research Agenda in Health and Science Studies", Revista Crítica de Ciências Sociais, Número especial, 141-164

Capítulo em Livro

Marques, Tiago Pires; Angela, Oliveira; Miguel, Oliveira (2018), Dia a dia Big Bang. Construções de si na pesquisa e ativismo em saúde mental, in Tiago Pires Marques e Mônica Nunes (org.), Legitimidades da loucura. Sofrimento, luta, criatividade e pertença. Salvador (Bahia): EDUFBA Editora da Univ. Federal da Bahia, 359-402

Livro

Nunes, Mônica; Marques, Tiago Pires (orgs.) (2018), Legitimidades da loucura: sofrimento, luta, criatividade e pertença. Salvador (Bahia): EDUFBA Editora da Univ. Federal da Bahia