FINFAM
Finanças, Género e Poder: como estão as famílias portuguesas a gerir as suas finanças no contexto da crise?

Período
1 de maio de 2013 a 31 de agosto de 2015
Duração
28 meses
Financiamento
Fundação para a Ciência e Tecnologia
Resumo

As perceções, escolhas e práticas financeiras dos casais portugueses nunca foram objeto de estudo aprofundado. O presente projeto pretende colmatar esta lacuna pois o seu objetivo principal é estudar os modos de gestão financeira dos casais portugueses. Para tal o projeto propõe-se investigar 1) como é que os casais portugueses gerem o seu orçamento familiar; 2) se são identificáveis padrões de género nas decisões financeiras das famílias; e 3) o impacto da presente crise económica nos modos de gestão dos orçamentos familiares.
O papel central da agência na decisão individual é uma das pedras angulares do discurso académico ortodoxo da Economia. Todavia, a maioria das pessoas vive grande parte da sua vidaem agregados domésticos plurais, habitualmente ancorados num casal, e partilhando recursos familiares. Ora, as decisões económicas e financeiras familiares não podem ser motivadas apenas pelo estrito interesse individual, envolvendo necessariamente, em alguma medida, altruísmo e cooperação. Uma vez que as preferências individuais dos membros da família são, por vezes, divergentes e conflituais, as decisões familiares resultam de interações complexas, envolvendo negociação interpessoal, seja ela tácitaou explícita. Estas negociações podem ser particularmente bem compreendidas num quadro concetual centrado no conceito de “conflito cooperativo”, o qual permite contemplar o papel, quer da agência individual, quer das perceções individuais relativas aos interesses, ao bem-estar, às contribuições e pretensões de cada pessoa que constitui a família. (Sen, 1983, 1990)
Um melhor conhecimento sobre os processos de decisão e as práticas financeiras das famílias é crucial para compreender a distribuição geral do bem-estar, do poder e do controlo sobre os recursos numa dada sociedade. Do ponto de vista normativo, esta questão adquire particular relevo no atual contexto de graves dificuldades vivido pelas famílias portuguesas, que se manifesta em reduções de rendimento, desemprego crescente, carteiras de investimento desvalorizadas e peso reforçado do endividamento. Em consequência, há um número crescente de famílias que todos os dias perde a sua habitação. Tal significa que muitas famílias estão a ser obrigadas a ajustamentos pronunciados nos seus padrões de despesa e, consequentemente, no seu nível de vida. Nestas circunstâncias, dados os papéis de género tradicionais no seio da família, é muito provável que a maior fatia dos impactos negativos na economia familiar seja suportada pelas mulheres, particularmente no caso de mães de filhos dependentes.
Embora a variedade de sistemas de alocação familiar seja enorme, o recurso a tipologias já provou ser uma ferramenta metodológica útil na pesquisa sociológica. A literatura relevante propõe várias tipologias de gestão e controlo do rendimento conjugal, nomeadamente as de Pahl (1980) e Vogler e Pahl (1993), que identificaram seis diferentes sistemas usados pelas famílias britânicas. Os seus estudos revelaram um padrão complexo de inter-relações entre rendimento familiar, sistema de alocação usado e papéis de género. O presente projeto adota aquela tipologia mas prevê a necessidade de adaptações, por forma a acomodar especificidades da sociedade portuguesa, nomeadamente no que respeita às redes sociais de apoio, à estrutura ocupacional, aos padrões de escolarização da população e aos papéis de género prevalecentes.
Os estudos disponíveis sobre outras realidades nacionais focaram-se na família tradicional (pai e mãe que coabitam com filhos dependentes, sem outros adultos), levando-nos a optar por estudar também este particular tipo de família. Esta opção permite, não só uma maior focagem na análise nos papéis de género no seio da família, como também facilita a realização de análises comparativas com outros países. Não obstante, o caráter inovador do estudo para Portugal permite-lhe abrir caminho para subsequentes alargamentos da investigação a outros arranjos familiares (ex. famílias alargadas, recompostas ou monoparentais, casais homossexuais) que têm vindo a adquirir crescente expressão na sociedade portuguesa.
O estudo adotará métodos variados e complementares – desde entrevistas a questionários e experiências cuidadosamente desenhados – por forma a identificar os diferentes sistemas de gestão financeira familiar e os significados e perceções que maridos e mulheres associam a cada um.
A equipa de investigação carateriza-se pela diversidade e complementaridade dos domínios de especialização – sociologia da família, redes sociais, estudos de género, finanças familiares, classes e desigualdades, economia comportamental e experimental – o que assegura as competências científicas, analíticas e interdisciplinares requeridas para o êxito deste projeto.

Resultados

Publicação de livro e artigos científicos; organização de seminário final

 

Gestão das finanças conjugais em Portugal

Coelho, L. (coord.), Ferreira-Valente, A., Cordeiro Santos, A., Frade, C., Vieira, C., Jesus, F., Oliveira, M., Marques, R., & Portugal, S. (2014), Finances, gender and power: how are Portuguese households managing their finances in the context of economic crises? – Preliminary Results, Coimbra: CES.

Coelho, L. (2013), "O meu, o teu, o nosso dinheiro: Contributos para o estudo da gestão das finanças conjugais em Portugal", Revista Crítica de Ciências Sociais, 101, 89-110. http://rccs.revues.org/5378

Coelho, L. (2014), “My money, your money, our money: Contributions to the study of couples’ financial management in Portugal”, RCCS Annual Review, 6, 6, 83-101. http://rccsar.revues.org/546

Ferreira-Valente, A. & Coelho, L. (2014), “Family money management arrangements: Using the 2010 statistics on income and living conditions survey to study the Portuguese case”, XVIII ISA World Congress of Sociology, Yokohama, Japan, 13-19 July.

Ferreira-Valente, A. & Coelho, L. (2015), “Gestão das finanças conjugais em tempo de crise económica”, In I. C. Silva, M. Pignatelli & S. M. Viegas (Coord.), Livro de Atas do 1º Congresso da Associação Internacional de Ciências Sociais e Humanas em Língua Portuguesa 2015 (pp. 4749-4765), Lisboa: AICSHLP.

www.omeuevento.pt/Ficheiros/Livros_de_Actas_CONLAB_2015.pdf

Coelho, L., & Ferreira-Valente, A. (2014), “Couples and economic crises: Changing patterns of money management”, 7th Congress of the European Society on Family Relations, Madrid, Spain, 3-6 September

Oliveira, Miguel, Ribeiro, Raquel & Jesus, Fernanda (2015), “Negotiation and intrahousehold expenditure allocation – trends and dynamics of agreement in Portuguese couples”, International Seminar FINFAM: Couples’ Finances in the Crisis: Gender, Power and Inequalities, Lisbon, Portugal, 31 August to 1 September

 

Poder e relações de género na família

Coelho, L. & Ferreira-Valente, A. (2014), “The economic empowerment of Portuguese women at the crossroads: An accomplishment facing the tourniquet of the crisis”, XVIII ISA World Congress of Sociology, Yokohama, Japan, 13-19 July.

Vieira, C., Ferreira-Valente, A., & Coelho, L. (2014),“Balancing private and working life in the context of economic crises: Preliminary results of the Portuguese case”, 7th Congress of the European Society on Family Relations, Madrid, Spain, 3-6 September.

Ribeiro, R., Coelho, L. & Ferreira-Valente, A. (2015), “Economic crisis and unemployment: Consequences for gender equality within the family”. In R. Cavallotti & C. León (Org.), II International Conference on Family and Society - Conference Proceedings (pp. 93-106). Barcelona: Institut d´Estudis Superiors de la Família.

Ribeiro, R., Oliveira, M. & Jesus, F. (2015), “Experimental study of perception of power within couples relating to financial expenses, income and agency”, International Seminar FINFAM: Couples’ Finances in the Crisis: Gender, Power and Inequalities, Lisbon, Portugal, 31 August to 1 September.

 

Crise económica: Impactos nas práticas quotidianas familiares e estratégias de enfrentamento

Ferreira-Valente, A., & Coelho, L. (2014), “Health and economic crisis in Portugal: A pilot exploratory study”, International Conference Looks of Gender and Sociological Knowledge between the routes of the Mediterranean Area, Palermo, Italy, 29-30 May

Ferreira-Valente, A. & Coelho, L. (2014), “Health and economic crisis in Portugal”, 7th Congress of the European Society on Family Relations, Madrid, Spain, 3-6 September.

Frade, C. & Coelho, L. (2015), “Surviving the crisis and Austerity: The coping strategies of Portuguese households”, Indiana Journal of Global Legal Studies, 22, 2, 631-664. http://ijgls.indiana.edu/latest/

Ribeiro, R., Frade, C., Coelho, L., & Ferreira-Valente, A. (2015), “Crise económica em Portugal: Alterações nas práticas quotidianas e nas relações familiares”, In I.C. Silva, M. Pignatelli, & S. M. Viegas (Coord.), Livro de Atas do 1º Congresso da Associação Internacional de Ciências Sociais e Humanas em Língua Portuguesa 2015 (pp. 5155-5171). Lisboa: AICSHLP.

www.omeuevento.pt/Ficheiros/Livros_de_Actas_CONLAB_2015.pdf

Portugal, S. & Frade, C. (2015), “The impacts of the crisis and coping strategies”, International Seminar FINFAM: Couples’ Finances in the Crisis: Gender, Power and Inequalities, Lisboa, Portugal, 31 August to 1 Septembe

Palavras-Chave
famílias, finanças, gestão, género