Prémio

Diana Andringa distinguida com o Prémio Maria Isabel Barreno

Outubro de 2017

Diana Andringa, jornalista e investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, a pintora Paula Rego, a soprano Elisabete Matos, a atriz Cristina Paiva e a encenadora Mónica Calle foram distinguidas na terça-feira, 11 de outubro de 2017, pelo Governo português com o prémio Mulheres Criadoras de Cultura.

Diana Andringa, elemento da equipa do projeto de investigação «CROME | Memórias cruzadas, políticas do silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais», financiado Conselho Europeu de Investigação e atualmente em desenvolvimento no CES, dedicou o prémio a «todos os jornalistas que consideram que fazer jornalismo é uma forma de intervir na cultura e na cidadania e não criar conteúdos nem encher chouriços», segundo informação veiculada pela Agência Lusa.

Uma iniciativa da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género e do Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais, este prémio, atribuído pela primeira vez em 2013 para reconhecer mulheres que se notabilizam na produção cultural portuguesa, passa a chamar-se Distinção Maria Isabel Barreno – Mulheres Criadoras de Cultura, em homenagem à escritora que morreu em 2016.

A cerimónia de entrega dos prémios, que decorreu no Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, contou com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, e do secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado. [Fonte: Lusa]

____________

Imagem: (c) EsquerdaNet_2016