Fernanda Vilar


Nota biográfica

Fernanda Vilar é investigadora no âmbito do projeto internacional "Memoirs, Filhos de Império e Pós-memórias Europeias", European Research Council, a decorrer no Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra. Seus centros de interesse são os estudos culturais, pósmemória, póscoloniais, subalternos e periféricos. Prepara atulamente um livro sobre a arte feita nas periferias de três capitais europeias. Interesse particular pelo Slam. Doutora em Literatura Africana Comparada pela Universidade de Paris Nanterre (2015), financiada pela CAPES (Brasil), com uma tese sobre as representações da violência na obra de Sony Labou Tansi, Mia Couto e J.M. Coetzee. Trabalhou na Comissão Europeia no departamento de Intérpretes na equipe de Comunicação Externa (2016). Foi selecionada pelas Nações Unidas - Impacto Acadêmico e discursou sobre o direito das mulheres na Assembleia Geral de Nova Iorque. Fez seu mestrado com bolsa de excelência na École Normale Supérieure de Lyon, onde foi professora de português língua estrangeira e de literatura em língua portuguesa (2010-2012). Lecionou língua portuguesa na Universidade de Marne la Valée (2012-2013). Traduziu em português o romance "La vie et demie" de Sony Labou Tansi, à espera de publicação.


Últimas Publicações

Capítulo em Livro

Vilar, Fernanda (2019), As palavras fantasmas de Amílcar Cabral, in Margarida Calafate Ribeiro e Philippe Rothwell (org.), Africanas. Lisboa

Capítulo em Livro

Vilar, Fernanda (2019), Facing ghosts: Lumumba's shadows", in Tony Chafer and Natalya Vince (org.), The Routledge Handbook of Francophone Africa

Capítulo em Livro

Vilar, Fernanda (2019), The Ghosts of Ngungunyane: Constructing an ambivalent hero, in Kristian Van Haesendonck (org.), Wor(l)ds of Mia Couto. Peter Lang